ENGLISH VERSION

Click here for English Version

Blogues Fundamentais

Resistir.Info
Mais Évora

Blogues Suspeitos

ColectivoTransgressão
In Tenui Labor
Lchaim Shedim - Consulado Negro de Zurugoa
As Sombras

Domínio Alentejano

Cronicas do Deserto
Sociedade Harmonia Eborense
Auditório Soror Mariana - SOIR/UE
Universidade de Évora
C.M.E.
Alentejanando
Alentejo Metablogue

Elektro Krak Pot

Anonymizer
Teosoft
CIA Studies
Nation States

Musik

Warp Records
Wire
Improvisos ao Sul

Úteis

Programas Mil
Teste a Segurança
Anti Software Espião
Firewall Gratuita
Anti Virus
FTP
Office legal de Borla
Usabilidade
Dicionário Online

Big Picture

Imprensa Mundial
Os Negócios da Morte
Imagens nunca vistas
The economist
Pravda
Aljazeera

Imagens

Instantes

Para-Mundo

"God, The Mechanik"

Cidadania

CGTP
Função Pública - Sul
SIESI (TYCO / EPCOS)
Jornalistas
STAL - Poder Local
Psicólogos
Federação Sindicatos Função Pública
FENPROF - Fed. Nacional Professores
Portal do Cidadão
Constituição da República
ANSOL - Assoc. Nac. para o Software Livre
The Memory Hole

Formação Civica

Diário Ateísta
Rebelion

Conflito Israel-Palestina

Haaretz
Palestine Monitor
Palestine Chronicle

Sai Sempre

Random Precision
Acuso
A Fabrica
Ponto Média
Afixe
A Naturesa do Mal
Webcedário

Blogo Diplomacia

Blog da Sabedoria
Alma Ébria
Bolotas e Mate

Do belo

Enki Bilal
World Museum of Erotic Art

Esquerda...

Forum Comunitário
Causa Nossa
Mau Tempo no Canil

Direita!

Abrupto
Voz do Deserto
Marretas
No Quinto dos Impérios

Ambiente

Energias Renováveis
Estrago da Nação

Blogus Mundi

Os Blogues
Comité Protecção Bloggers

Partidos Politicos

Bloco de Esquerda
Partido Comunista Português.
Os Verdes
Partido Socialista
Partido Social Democrata
Partido Popular

APELO PARA A HUMANIDADE
O que pensa deste blogue?
5 - Perfeito
4 - Indispensável
3 - Muito Interessante
2 - Interessante
1 - Desinteressante
Free polls from Pollhost.com


Trilhos




lunar phases
 

ZURUGOA

Zurugoa, o país irmão! Zurugoa é Alfa e Omega! Tás farto? Emigra pra Zurugoa hoje mesmo!

Nome:
Localização: Zurugoa

1/15/2005

GENERATION KILL

No fim desta semana, um texto chamou-me a atenção, tanto pela sua actualidade, como pela sua gravidade.
Como todos sabemos, os EUA são o exemplo a seguir por muitas das oligarquias pelo mundo fora, em especial na area militar.
Com esta observação em mente, o texto que segue é no minimo inquietante!


Contardo Calligaris
Durante a invasão do Iraque, vários jornalistas se integraram a unidades combatentes do corpo expedicionário dos EUA. Na safra de livros que relatam essas experiências, um se destaca: "Generation Kill" (Geração Matança), de Evan Wright, que acompanhou um pelotão do primeiro batalhão de reconhecimento dos marines (First Recon Marines, tropa de elite), desde a entrada no Iraque até a ocupação de Bagdá.
A unidade em questão era constituída por um destacamento de "humvees". Alguns eram abertos, outros blindados; cada um era equipado com um lançador de granadas ou uma metralhadora ou ainda um canhão leve, todos carregavam quatro ou cinco homens. Repetidamente, o pelotão teve a perigosa missão de atravessar emboscadas urbanas, precipitando-se pelas vielas, pé na tábua, recebendo e devolvendo fogo. Evan Wright era repórter da "Rolling Stone", uma publicação atenta à cultura dos jovens.
Não lhe escapou a similitude entre a guerra combatida por seu pelotão e aqueles videogames em que se trata de correr esquivando do fogo alheio, atirando, destruindo e, quando der, tentando fazer a diferença entre população civil, cachorros e inimigos. Nessa tarefa, notou Wright, os jovens soldados do pelotão eram eficientes e entusiastas: a batalha parecia prolongar os passatempos preferidos de sua adolescência. As observações de Wright me levaram a ler um clássico da psiquiatria militar americana, "On Killing, the Psychological Cost of Learning to Kill in War and Society" (Sobre o Fato de Matar, o Custo Psicológico de Aprender a Matar em Guerra e na Sociedade), de Dave Grossman, publicado em 95. Resumo o argumento.
1) Um fato surpreendente: pesquisas efetuadas durante a Segunda Guerra Mundial pelo general S.L.A. Marshall mostram que, na época, em situação de combate, apenas 20% dos soldados americanos disparavam sua arma. Outras pesquisas (históricas, no caso) provam que o mesmo vale para as guerras do passado: poucos disparavam sua arma e, entre esses, menos ainda tomavam realmente o inimigo como alvo. A maioria devia atirar ao lado ou para cima, como se quisesse só intimidar o adversário, feito um primata que grita, se agita e bate no seu próprio peito, esperando que o outro se assuste e fuja. Imaginemos que, numa guerra do século 19, dois pelotões de fuzileiros, cada um com 200 homens dispostos em fileiras compactas, encarem-se a 30 metros um do outro. Pelas armas e pelo ritmo de tiro da época, se os homens apontassem na direção do inimigo, cada pelotão perderia mais de 50 homens por minuto. Ora, esse tipo de enfrentamento podia durar horas, pois as baixas de cada pelotão eram só de um ou dois homens por minuto.
2) Conclusão de Grossman: existe uma forte e saudável inibição que torna difícil matar o próximo, por inimigo que ele seja e mesmo quando o combate impõe a alternativa: ele ou eu. Essa inibição vale para o uso de armas individuais a curta e média distância. Ela não vale para bombardeios aéreos ou de artilharia, em que o soldado não enxerga seu adversário, e não vale para o uso das armas que são servidas por mais de um combatente, como certas metralhadoras (nesse caso, prevalece a vontade de se mostrar à altura da confiança dos camaradas).
3) Após a Segunda Guerra Mundial, os EUA e outros países reagiram à descoberta de Marshall modificando o treinamento militar. O estande e os alvos tradicionais foram substituídos por silhuetas inimigas que surgem repentinamente e devem ser abatidas em bosques, campos ou ambientes urbanos. Também no condicionamento mental dos soldados começou-se a insistir fortemente no ato de matar (não apenas de combater) como função específica do soldado (veja, por exemplo, "Nascido para Matar", de Stanley Kubrick).
4) Os resultados foram imediatos. Na Guerra da Coréia, a percentagem de soldados que dispararam suas armas em combate subiu para 50%. Na Guerra do Vietnã, chegou-se a 95% (pelo livro de Wright, na guerra do Iraque, essa média se manteve ou melhorou). Grossman observa que o condicionamento que permite que os soldados vençam sua inibição consiste, em grande parte, na repetição infindável de situações virtuais que transformam o ato de atirar para matar em automatismo. Ele nota que os videogames em que se trata de avançar atirando e matando podem fazer parte (e, às vezes, fazem parte mesmo) desse condicionamento.
Cuidado: não acredito que a violência dos jogos (vídeo ou não) prometa comportamentos violentos. Ninguém se torna assaltante porque brincou de polícia-ladrão ou assassino porque chegou até a última fase de "Doom" ou "Quake". Aliás, é possível pensar o contrário: o jogo permite que se expresse uma violência que, sem isso, explodiria na realidade. Mas nisto Grossman tem razão: apertar o gatilho apontando num semelhante está se tornando mais fácil. A guerra, hoje, tem um custo que excede o teatro de operações, pois ela treina exércitos de jovens para que suprimam sua inibição para matar. E a gente passou a praticar técnicas desse treinamento como jogos.

1 Comments:

Anonymous arno said...

Oi meu caro bandido da paz!
Achei interessante o seu sítio, sobretudo o artigo sobre "Generation Kill". Serviu-me para enriquecer um artigo que escrevi para o sítio do Grupo Gaia.
Se quiseres nos honrar com sua visita, acesse www.gruga.org
Abraço,
arno

arnrochol@yahoo.com.br

8:43 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Direitos - Script Facil - Matheus Peroni

Clique em qualquer lugar desta página com o botão direito do mouse.

Blogarama - The Blog Directory